Responsável Técnico

Dr. Denis Valente | Cirurgião plástico

CREMERS 24617 | RQE 18465

Tratamento Pós-Gestacional

O abdômen é a parte do corpo que mais sente os efeitos da gravidez. Nesse período, o abdome pode quadruplicar o seu volume, o que provoca pelo menos três conseqüências físicas desagradáveis: flacidez da pele, perda de elasticidade da musculatura abdominal e acúmulo de gordura nas áreas do ventre, cintura e estômago. A flacidez abdominal é o resultado da perda de tônus muscular. Na gravidez, há um afastamento dos músculos reto-abdominais, com conseqüente projeção do útero. Muitas vezes, após o parto, esses músculos não voltam à condição anterior, mesmo com ginástica. Um problema bastante comum em mulheres que engordam mais de 12 quilos na gestação ou têm filhos gêmeos.

A cirurgia plástica permite remover a pele, corrigir a flacidez muscular e eliminar a gordura localizada, deixando o abdome firme novamente. A cirurgia plástica de abdome só deve ser realizada pelo menos três meses depois que a mãe não estiver mais amamentando, e nunca antes do bebê completar seis meses. A abdominoplastia clássica é indicada para casos de grande flacidez, geralmente quando já houve mais de uma gestação. Sempre associamos à lipoescultura, para se remover a gordura de cintura, abdome e outras regiões próxima ao abdome para que a unidade corporal seja tratada como um todo, remodelando-a esteticamente de uma só vez. Algumas mulheres mais jovens, depois de uma ou duas gestações, são privilegiadas pela natureza. Não apresentam estriações nem flacidez, somente umas gordurinhas localizadas na cintura, no ventre e no culote, que não desaparecem com dieta e ginástica. A melhor indicação para resolver este problema é a lipoaspiração.

Candidatos

Mulheres e homens que acham que seu abdômen se encontra com excesso de pele e gordura geral ou localizada, podendo, ou não, ter enfraquecimento da parede abdominal e desejam melhorar a silhueta corporal.

Internação/Ambulatório

Ambulatorial de 12-24hs após o término da cirurgia.

Duração total da cirurgia

De 120 à 180 minutos.

Anestesia

Peridural com sedação

Recuperação

A volta ao trabalho, se não for uma atividade física desgastante, é possível dentro de alguns dias. A cicatriz leva alguns meses para se tornar imperceptível, mas em alguns casos pode levar até um ano ou mais. Os curativos devem ser trocados nas primeiras duas semanas depois da operação. Banho de chuveiro é permitido 24hs após a cirurgia e os pontos são retirados depois do sétimo dia. Pequenos drenos, quando utilizados são retirados após alguns dias. Eles são usados para evitar o acúmulo de líquidos na parede abdominal. Recomentamos a utilização de malha compressiva durante as 2 semanas iniciais.

Objetivos

Melhorar o volume abdominal. Distribuir a pele excedente. Enrijecer a musculatura abdominal. Aprimorar o balanço corporal.

Incisões e técnica

Procuramos fazer as menores cicatrizes possíveis, mas o tamanho das cicatrizes é diretamente proporcional à quantidade de pele e de gordura que precisa ser removido Uma incisão horizontal é feita logo acima do púbis, semelhante à utilizada em cesariana, e que se estende lateralmente até o inicio do osso ilíaco. O comprimento da cicatriz depende da quantidade de pele e de gordura que precisa ser retirada. Geralmente a cicatriz fica escondida pelas roupas intimas ou biquínis. Quando o excesso de pele é pequeno e os depósitos de gordura se concentram abaixo do umbigo, a incisão horizontal pode ser bem pequena, e a cirurgia é então chamada de mini-abdominoplastia. Quando há excesso de pele acima do umbigo é feita uma segunda incisão ao redor do umbigo, liberando-o da pele abdominal; o excesso de pele é então puxado para baixo e retirado, o umbigo é permanecendo em seu local original.

Efeitos indesejáveis

Dor temporária que costuma ser tratada com analgésicos simples. Inchaço, diminuição temporária da sensibilidade da pele abdominal e equimoses.

Observações adicionais

Quem planeja ficar grávida no futuro ou perder peso deve discutir o assunto antes da cirurgia. As cicatrizes de cirurgias abdominais anteriores podem influir e limitar os resultados da abdominoplastia. Pode haver uma melhora nas estrias localizadas abaixo do umbigo, onde a pele será retirada. As estrias da pele acima do umbigo ficam menos visíveis quando a pele é esticada, todavia não desaparecem.