Responsável Técnico

Dr. Denis Valente | Cirurgião plástico

CREMERS 24617 | RQE 18465

CIRURGIA INTIMA


A cirurgia de redução de pequenos lábios tem sido cada vez mais requisitada em função de promover melhores condições de apresentação, higienização e estética na intimidade feminina.
A cirurgia é feita em ambiente ambulatorial com anestesia local e com pontos que caem sozinhos, ficando cicatrizes usualmente bem escondidas e de difícil visualização.

OS IMPLANTES DE SILICONE NA MAMA TÊM PRAZO DE VALIDADE?


Ao receber as caixas ou etiquetas das próteses algumas pacientes perguntam o que significa a validade que está ali estampada.  Essa validade se refere ao tempo em que o implante se manterá estéril e deverá ser colocado dentro do corpo, após colocado no corpo não há um prazo específico para a troca e, com as próteses atuais mais resistentes e seguras, embora possa ser necessário trocar no 1o ano após o implante, dificilmente a troca ocorrerá antes dos 15 anos. Não tem uma estimativa de vida útil das próteses reconhecida no meio científico, é possível usá-las indefinidamente, pelo tempo que permanecerem íntegras, mas sempre acompanhando através dos exames de imagem. Em relação ao rompimento, as próteses utilizadas no Brasil são feitas de gel coesivo (espécie de “gelatina bem consistente”). Se cortadas ou rompidas, o conteúdo não escorre. Não há o risco delas se espalharem pelo corpo.

Forma ou Cicatriz? Lipo ou Abdominoplastia?


A lipoaspiração abdominal permite remover gorduras excedentes com cicatrizes mínimas.

É fundamental que a região a ser tratada tenha a pele de textura firme ou com bom potencial de retração. Não havendo essa condição, a simples remoção de gordura sem retirada de pele, poderá perpetuar a flacidez. Já quando temos excesso de pele abdominal, decorrente das variações de peso, gestações prévias, alterações hormonais e mesmo características genéticas a remoção dessa pele excedente, reposicionamento da musculatura e retirada da gordura é importante.

DOR APÓS CIRURGIA DE AUMENTO MAMÁRIO


Diferente do que muitas pessoas acreditam, se a cirurgia for realizada somente para a inclusão de próteses de mama, a dor após o procedimento cirúrgico costuma ser de leve intensidade, independente de qual é a via de acesso para a inclusão da prótese de silicone – que pode ser pela axila, aréola ou pelo sulco abaixo da mama. A dor não costuma ter relação com a via de acesso, a dor tem relação com o posicionamento da prótese: acima ou embaixo do músculo.
Quando a prótese fica posicionada embaixo do músculo peitoral é comum que a pessoa sinta dor, pois toda a musculatura da região é deslocada, fazendo com que fique esticada e também ocorre maior pressão sobre as costelas. Nesses casos, o movimento dos braços durante o pós-operatório acentua a dor, o que irá fazer com que a paciente precise fazer mais repouso e menos movimentos com os braços.
As indicações para a colocação das próteses por baixo do músculo são poucas, ocorrem apenas em situações especiais, como quando a paciente tem pouca cobertura de gordura na mama; ou quando a paciente tem algum problema de histórico de câncer mamário.
Parte fundamental da recuperação pós-cirúrgica é que a paciente siga todas as orientações recomendadas pelo cirurgião plástico. A paciente precisa fazer um repouso relativo. Há também um maior cuidado com o movimento dos braços, que podem ser levantados, no máximo, até que o cotovelo chegue a linha do ombro. Não fazer movimentos repetitivos, não caminhar muito, assim como não realizar esforço físico, também são indispensáveis para não comprometer a recuperação.
Na hora de dormir a paciente deve deitar de barriga para cima ou de lado, sempre buscando uma posição confortável, já que é comum que algumas pacientes sintam incômodos nas costas por deitar sempre de barriga para cima. O uso do sutiã pós-cirúrgico também é muito importante em todo o período de recuperação, pois ele deixa a mama imobilizada, evita com que a paciente sinta o peso da prótese, portanto, a dor é menor com o uso do sutiã adequado.
No pós-operatório a paciente faz o uso de anti-inflamatório e analgésicos por cerca de cinco dias. Se isso for insuficiente, é receitado para ela o uso de um analgésico mais forte que é indicado apenas se necessário.
Nos episódios em que a dor estiver necessitando de uma dose maior de medicamento, a paciente precisa ser avaliada para que o médico verifique se não há nenhum problema que esteja causando essa dor. O importante em todo o processo de recuperação de uma cirurgia plástica é o acompanhamento médico. Se houver algum desconforto ou alguma complicação, o cirurgião plástico irá trabalhar para tratá-los a fim de garantir a saúde da paciente.

CIRURGIA PLÁSTICA NA ADOLESCÊNCIA


Permitir que um adolescente se submeta a uma cirurgia plástica requer cuidado. Quando um jovem tem este desejo os responsáveis devem fazer uma avaliação criteriosa não somente da motivação do adolescente, mas também de sua condição em passar por um procedimento cirúrgico.
Em geral os adolescentes têm objetivos diferentes dos adultos quando querem fazer uma cirurgia plástica. Enquanto os mais velhos esperam um resultado que os diferencie dos demais, os jovens têm a expectativa de serem parecidos com outros jovens para se inserir socialmente.
Os motivos que levam pessoas mais jovens a procurarem uma cirurgia plástica são características físicas percebidas como diferentes, estranhas ou que causam dor emocional ou física, como mamas exageradamente grandes ou orelhas protuberantes, que podem levá-los a um isolamento dos demais e prejudicar sua saúde, sua vida social e sua auto-estima e confiança em si mesmos.
Em geral, os jovens que corrigem possíveis problemas reganham auto-estima e confiança. Uma cirurgia plástica bem sucedida pode, inclusive, reverter a tendência ao isolamento do adolescente que se sente diferente dos demais.
No entanto, nem todo adolescente é um bom candidato à cirurgia plástica. Como em qualquer processo cirúrgico, os responsáveis devem consentir com a realização do procedimento no adolescente, mas antes de dar o próximo passo em direção ao procedimento é preciso se certificar de que ele atende a alguns pré-requisitos:
- Demonstrar maturidade emocional e entender os limites da cirurgia plástica. O desejo deve partir do próprio adolescente e ser expresso claramente por ele.
- Compreender que este é um processo cirúrgico que pode trazer benefícios, mas também possíveis riscos.
- Ter expectativas realistas a respeito dos resultados. Observar se o adolescente tem clareza dos limites da cirurgia plástica e das mudanças que podem ser geradas por ela.
- Ter maturidade mental e física, pois o processo requer preparação. Não ingerir álcool ou outras drogas e não apresentar variações de humor ou comportamento.
Mesmo que estes pontos estejam sendo cumpridos, lembre-se: consulte um cirurgião plástico associado à Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para se certificar de que o adolescente está preparado para se submeter a uma cirurgia plástica e que esta é realmente a melhor opção para seu caso!

Página 1 de 1012345...10...Última »