Responsável Técnico

Dr. Denis Valente | Cirurgião plástico

CREMERS 24617 | RQE 18465

CIRURGIA DE AUMENTO DE BUMBUM COM IMPLANTES DE SILICONE


Existem vários tipos, volumes, formas e modelos de prótese de glúteo, cada uma com diferentes indicações dependendo do objetivo, características anatômicas e biótipo de cada pessoa. Os implantes de silicone podem variar na forma que pode ser redonda ou oval, nos volumes que podem ir de 100 até 500 ml, nos tipos que podem ser de gel de silicone ou de solução salina e quanto ao modelo que pode ser perfil baixo, moderado ou alto.
Como em todo procedimento cirúrgico, antes de se submeter à cirurgia, o paciente deve passar por uma adequada avaliação pré-operatória, onde é avaliado o histórico médico, exame físico e são solicitados exames complementares de acordo com cada paciente. A cirurgia pode ser feita com sedação e anestesia local, peridural, raquidiana ou geral. Após a anestesia é feita uma incisão no sulco interglúteo (prega entre as nádegas) de 5 a 8 cm, para colocar o implante no meio das fibras dos músculos glúteos moldando-os conforme a necessidade. Essa abertura pode ser fechada com pontos, grampos ou cola cirúrgica. O pós-operatório costuma ser mais doloroso que a de um implante de mama, pois há uma distensão das fibras musculares no bumbum, no entanto, cede com analgésicos usuais. O paciente precisa evitar deitar de barriga para cima por duas semanas, é prescrito o uso de cintas modeladoras, manter a região glútea bem higienizada e evitar esforços físicos. Dependendo do trabalho que exerce, pode voltar às atividades em duas semanas. Já os exercícios físicos só são liberados após dois meses da cirurgia. Exercícios que façam muita força na musculatura do bumbum (como o Leg Press), bem como injeções nos glúteos são proibidos definitivamente. O procedimento é indicado para pessoas saudáveis e dentro do peso. Pessoas que possuem o bumbum muito flácido e caído se beneficiam mais com uma cirurgia de lifting de glúteo. Assim como a prótese de mamas, a colocação do silicone no bumbum também pode apresentar hematomas, infecção e cicatrizes desfavoráveis. O resultado definitivo pode ser notado após três meses da cirurgia, pois nesse período a cicatriz ganha força, o implante se acomoda melhor e os inchaços são reduzidos.

BLEFAROPLASTIA CIRURGIA DE PÁLPEBRAS


Blefaroplastia é a cirurgia plástica que modifica o aspecto das pálpebras superiores e inferiores, diminuindo bolsas de gordura, rugas, flacidez e com isso rejuvenescendo a região em torno dos olhos.

Essa cirurgia plástica costuma ser procurada por pacientes com mais de 25 anos. Ela está indicada para quem tem excesso ou flacidez de pele nas pálpebras, para quem tem bolsas de gordura na pálpebra inferior e para quem tem queda da pálpebra em função do excesso de pele. A cirurgia também pode ser feita para remoção de xantelasmas (pequenas bolinhas de colesterol que se formam nas pálpebras), além de rugas na pálpebra inferior.

É realizada anestesia local com sedação. A cirurgia dura por volta de 40 minutos a uma hora e meia

O cirurgião marca o excesso de pele e corta com o bisturi removendo também as bolsas de gordura, em seguida cauteriza com bisturi elétrico e dá pontos da região exterior das pálpebras. Os pontos podem ser absorvíveis (que caem sozinhos) ou removíveis. Alguns cirurgiões usam adesivos cirúrgicos de pele ao invés de pontos.

LIPOESCULTURA


A lipoescultura envolve a combinação das técnicas de lipoaspiração e lipoenxertia. A lipoenxertia usa a gordura em excesso removida de alguma outra região do corpo através da lipoaspiração da própria paciente para esculpir o corpo, de modo a preencher, aumentar e modelar as estruturas flácidas, depressões ou áreas com pouco tecido adiposo.

As cânulas de lipoaspiração são introduzidas através da pele e chegam na camada adiposa, de onde aspiram – através de um sistema de vácuo – a gordura localizada. Os pontos em que são inseridas as cânulas variam de acordo com a anatomia do paciente e a técnica usada pelo cirurgião.

A lipoaspiração pode ser feita com anestesia geral, peridural ou local, dependendo da quantidade de regiões abordadas, preferências do médico e saúde do paciente. Em geral, as cicatrizes de lipoaspiração medem cerca de 1 a 2 centímetros.

Em seguida a gordura é tratada – é feita a retirada de células de gordura rompidas, de sangue e de anestésico – e a gordura e enxertada em um novo local. Essa gordura filtrada é colocada através de finas seringas no local desejado, dando volume e forma nova ao local.  A lipoaspiração pode ser realizada em qualquer região que haja gordura localizada. A principio, em qualquer parte se pode recolocar a gordura aspirada e tratada, as áreas de maior procura por aplicação de gordura são glúteos, face, mãos e mamas.

Assim como qualquer procedimento cirúrgico, a lipoescultura também está sujeita a eventuais complicações que podem ser desde alterações mais leves como inchaço prolongado, seroma (que é o acúmulo de líquido no espaço que foi criado pela lipoaspiração), infecções a complicações mais graves que vão desde a necrose da pele ou da gordura enxertada, o que pode levar a um abscesso,  até embolia pulmonar ou choque anafilático da anestesia podendo levar ao óbito.

As complicações específicas da lipoescultura são relacionadas, geralmente, ao resultado insatisfatório que possa se obter, como:

- Irregularidades (pele enrugada, ondulada, desnivelada);

- Problema de base, como depressões ou deformidades, não resolvidos;

- Hipercorreção do problema de base (caso o bumbum fique maior do que o esperado, por exemplo)

Quais exames devem ser feitos para acompanhamento após aumento de mamas com silicone?


Muitas mulheres acabam esquecendo as recomendações médicas após colocar a prótese. A maioria só volta a procurar um especialista quando aparecem os sintomas de complicações. É importante fazer acompanhamento com o cirurgião ou com a ginecologista. Para avaliar a integridade do implante, o exame mais indicado é a ressonância magnética. Porém, a ultrassonografia, quando realizada por um radiologista especializado em mama, tem boa sensibilidade para detectar rupturas. O ideal é que, após 10 anos, o acompanhamento seja anual e que seja feito exame de ressonância magnética a cada cinco anos.
A mamografia tem sensibilidade alta para diagnosticar o carcinoma inicial nos quais o tratamento oferece cura em até 90% dos casos. Carcinomas invasores pequenos também podem ser diagnosticados nas mamografias antes que sejam detectados na palpação das mamas feita pelo médico ou pela própria paciente. Tumores pequenos também têm alto índice de cura. Entretanto, um grande número de lesões diagnosticadas na mamografia e mesmo na ultrassonografia e ressonância magnética, correspondem a lesões benignas. Um exemplo é o fibroadenoma, que são nódulos de mama muito frequentes nas mulheres. Por isso os exames devem ser avaliados por médicos especializados antes de se optar por uma biópsia.
A mamografia pode ser realizada em pacientes que tenham implantes de silicone tanto abaixo da glândula como abaixo do músculo, sem prejuízo para a prótese e nem para a visualização de lesões. É importante, no entanto, o técnico ser informado sobre a existência do silicone. Assim, realizará a chamada ‘Manobra de Eklund’, em que se traciona a mama para expor ao raio-x apenas o tecido mamário. Outro dado relevante é que implante de silicone não constitui fator de risco para desenvolvimento de câncer de mama.
Independente da mulher possuir ou não implantes de silicone, o rastreamento do câncer de mama deve ser feito com mamografia a partir de 40 anos, anualmente, segundo a orientação da Sociedade Americana de Cancerologia. Nos casos de mulheres com risco aumentado para câncer de mama (exemplo: história familiar fortemente positiva ou mutação genética que predispõe ao câncer de mama) pode-se associar a ultrassonografia e/ou ressonância magnética quando as mamas são densas.

CIRURGIA PARA AFINAR O NARIZ – RINOPLASTIA


Ter o nariz grande é na maioria das vezes considerado um defeito pela pessoa que o tem. Existem procedimentos estéticos para modificar o que não gostamos na nossa aparência, e o nariz é claro não fica de fora. A rinoplastia é a cirurgia plástica indicada para correção estética do nariz, existem inúmeras possibilidades: aumentar ou diminuir o nariz, dar projeção à ponta, afinar as asas nasais, empinar ou rebaixar a ponta, diminuir os ossos e até modificar a musculatura que faz o nariz mexer quando se sorri.

A rinoplastia costuma ser indicada a partir dos 15 anos de idade, idade em que o desenvolvimento facial  já está concluído. A cirurgia plástica para afinar o nariz não deixa cicatrizes aparentes. Ela pode ser feita para reduzir o tamanho ou largura, tanto da ponta, quanto dos ossos que formam o dorso do nariz, ou das asas nasais. As pessoas buscam esta operação por acharem seu nariz desproporcional em relação ao resto de suas faces. Há pessoas que possuem asas nasais largas e grossas demais, a ponto de serem desproporcionais em relação à face,  existem variações do dorso nasal que podem ensejar uma cirurgia plástica no nariz. No caso da rinoplastia de redução, as situações mais comuns são: dorso muito alto; muito largo; ou com “giba” – aquela protuberância, também chamada de calombo ou carocinho. O pós operatório da cirurgia plástica para afinar raiz é cheio de cuidados e muita paciência. A respiração fica dificultada logo nos primeiros dias pela presença de coágulos nas narinas, melhorando com o uso de descongestionantes nasais indicados pelo cirurgião plástico. Por pelo menos sete dias é indicada que a alimentação seja mais pastosa e a temperatura ambiente pois, como a região estará dolorida e inflamada, o ideal é evitar alimentos muito duros e quentes, que exigem mastigação mais forte e pode gerar incômodo.

O repouso é importante nos dias iniciais. Depois deste período já é possível voltar às atividades rotineiras e ao trabalho sem que se faça esforço físico e exercícios, estes são indicados apenas após um tempo de dois meses. O pós-operatório da cirurgia para diminuir nariz normalmente é sem dor, e quando ela aparece é facilmente solucionada com uso de analgésicos habituais. A formação de hematomas é comum e a absorção completa se dá num período médio de 2 semanas.

Página 1 de 1012345...10...Última »